Saúde: A importância de completar o ciclo de imunização contra doenças

Por: Diego Balieiro 

A maioria das doenças que conhecemos e que podem ser prevenidas por vacina são transmitidas pelo contato com objetos contaminados ou quando o doente espirra, tosse ou fala, pois ele expele pequenas gotículas que podem conter agentes infecciosos. Assim, se um indivíduo é infectado, ele pode transmitir a doença para outros que também não foram imunizados.

Graças à vacinação, houve uma queda drástica na incidência de doenças que costumavam matar milhares de pessoas todos os anos até a metade do século passado, como coqueluche, sarampo, poliomielite, rubéola e, agora, a covid-19. Mas, mesmo estando sob controle hoje em dia (com exceção da covid), elas podem rapidamente voltar a se tornar uma epidemia caso as pessoas parem de se vacinar.

Produção de vacinação

Toda vacina licenciada para uso passa por diversas fases de avaliação, com o objetivo de garantir a sua segurança e eficácia. Elas também passam pela avaliação de institutos reguladores rígidos. No Brasil, essa função cabe à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Algumas pessoas podem ter efeitos colaterais leves após tomarem uma vacina, como dor no local da injeção, febre baixa ou outros.

E não é só isso. O acompanhamento de eventos adversos continua acontecendo depois que a vacina é licenciada, o que permite a continuidade de monitoramento da segurança do produto.

Segundo o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, as vacinas são, neste momento, a medida farmacológica de maior comprovação, credibilidade e eficácia disponível em todo o mundo.

“Não faz sentido a pessoa tomar uma dose da vacina e não se apresentar para tomar a segunda dose. Quem assim o faz está com uma proteção insuficiente e inadequada”, alerta.

Fique atento ao calendário de vacinação

Além de levar os filhos para serem vacinados, é fundamental ficar atento para quais você deve tomar. O Ministério da Saúde tem um calendário de vacinação específico para recém-nascidos e crianças, bem como para pré-adolescentes e adolescentes, adultos, idosos e gestantes. Se tiver dúvidas, peça mais informações para seu médico.

Toda a população pode se vacinar gratuitamente nas mais de 36 mil salas de vacinação localizadas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de todo o país. Para isso, basta comparecer a um posto de saúde com o cartão de vacinação em mãos.

Para quem perdeu o cartão de vacinação, a orientação é para procurar o posto de saúde onde recebeu as vacinas para resgatar o histórico de vacinação e fazer a segunda via. A ausência da Caderneta de Vacinação não é um impeditivo para vacinar. Toda pessoa pode ser vacinada nos postos de saúde, onde recebe um registro de controle da vacinação (cartão), podendo atualizar mais tarde a Caderneta.

Ressalta-se que o cartão de vacinação é o documento que comprova a situação vacinal do indivíduo e deve ser guardado junto aos demais documentos pessoais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.