Brechó é sustentável

Por Arleson Soares

Já passou o tempo que brechó tinha cara de coisa velha com cheiro de mofo. Hoje em dia, comprar roupas que já foram usadas é uma forma de gastar menos e ainda ajudar o meio ambiente. Apesar de ainda ocorrer certo preconceito com esse tipo de compra, os brechós estão sendo mais aceitos pelas pessoas ao longo dos anos. Já é possível encontrar no comercio online centenas de brechós que vendem seus produtos através de redes sociais como por exemplo, o Instagram. Adquirir roupas que já foram usadas por outras pessoas não é nenhuma vergonha, pelo contrário, uma boa mão de costura pode fazer maravilhas com uma peça de roupa que provavelmente ia para o lixo por causa de um simples furo.

Uma alternativa sustentável

Para criar peças de roupa, é extraído recursos da natureza de origem animal ou vegetal, portanto utilizar roupas que vieram de brechós, ou seja, que já foram utilizadas é uma maneira de não usar essas matérias primas novamente assim diminuindo o impacto ambiental. Na confecção de apenas uma calça jeans são gastos 11 litros de água, uma curiosidade interessante e preocupante ao mesmo tempo. Se o consumidor diminuir as compras em lojas de jeans, isso vai impactar no consumo de água e consequentemente no uso excessivo de água nas grandes fabricas de jeans. Brechó é como se fosse uma pequena rede de reciclagem, onde várias peças vão sendo repassadas para novo uso, ao invés de irem para o lixo. Quando essas roupas vão para os lixões, elas apenas aumentam ainda mais a poluição pois se misturam com outros tipos de lixo. Por isso usar roupas novamente ajuda na sustentabilidade, pois reutiliza o que já está pronto ao invés de retirar mais recursos naturais assim diminuindo os montantes nos lixões públicos.

Vantagens de consumir brechós

Moda vintage

As roupas dos anos 80 e 90 voltaram com tudo, isso é fato. Em qualquer lugar podemos encontrar uma calça jeans com uma lavagem mais intimista e em um tom de azul envelhecido, estampas características, peças com cores fortes, sapatos com plataformas, jaquetas jeans etc. Uma característica forte de brechós são justamente as roupas com pegada vintage. Já imaginou o quanto seria legal encontrar uma calça jeans que já foi utilizada por pessoas que hoje tem 50 anos? Isso é possível nos brechós, pois algumas roupas são extremamente duráveis se bem cuidadas. O que proporciona um look estiloso com ar vintage.

Roupas e artigos exclusivos

Você já entrou em lojas de departamento e se deparou com centenas de roupas iguais onde a única diferença é o tamanho de uma peça para outra? Ou até pior. Estava em algum local público e encontrou alguém vestido igual a você? Com os brechós a possibilidade de isso acontecer é praticamente mínima, pois as peças são de achado único e de coleções passadas. Se a peça que foi adquirida no brechó é aquela que nunca sai de moda, você pode ter em mãos uma peça de grife e o melhor, sendo exclusivamente sua.

Incentivo a jovens empreendedores

A maioria dos brechós atualmente, são de jovens que se aventuram na busca de “tesouros” para revender e ganhar um dinheiro extra. Se você decide comprar em um brechó está apoiando microempreendedores e ajudando a fomentar o mercado. E se o brechó é local isso é mais do que especial, pois você vai acompanhar de perto esses jovens que fazem o seu trabalho com muito amor e dedicação, fazendo a experiencia de comprar em brechós, algo único e gratificante.

Preço

Uma das melhores coisas é comprar dezenas de roupas e gastar pouco, não é mesmo? Os brechós cumprem essa tarefa muito bem ao repassar as peças com um precinho super camarada. Sabe aquela bolsa que você viu em uma Riachuelo da vida, mas não comprou por estar caro? Nos brechós você pode encontrar essa mesma bolsa bem conservada e bem mais barato do que a nova da loja. É possível encontrar peças incríveis com preços melhores ainda e ainda ficar com a consciência tranquila de que não gastou mais do que deveria.

Brechó Patucuju, o brechó “patodos” os gostos

O Brechó Patucuju foi criado pelo estudante, Arthur Mourão e a acadêmica de artes visuais da Universidade Federal do Amapá, Raissa Marques. Ele surgiu a partir de outro brechó, feito como projeto da Escola Estadual Gabriel de Almeida Café para arrecadar fundos e alimentos para famílias carentes. Depois do projeto concluído, resolveram continuar com a venda de peças garimpadas e em feiras, conquistando cada vez mais “patinhos”. Vestidos, camisas, saias e livros são alguns dos produtos vendidos por eles, dentre várias outras peças. As peças são mostradas no Instagram do brechó, @patucuju.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.